Canal Terra Viva - 29/12/2015 - 11h50

 

http://tvterraviva.band.uol.com.br/noticia.aspx?n=767228

 



Escrito por RELMARSP às 20h16
[] [envie esta mensagem] []



Brazil Central Bank Leaves Benchmark Rate Unchanged

 

Updated July 16, 2014 9:08 p.m. ET

SÃO PAULO—Brazil's central bank left its benchmark interest rate unchanged Wednesday at 11%, on the expectation that the yearlong cycle of rate increases that ended last May will start to bring down inflation amid slowing economic growth.

The policy decision was unanimous, the bank's spokesman said, repeating wording from the previous meeting's statement that the bank decided "at this time" to keep the Selic rate unchanged. Analysts interpreted that wording to mean that the bank is waiting to see how the previous rate increases will affect consumer prices before deciding which way to move.

Brazil's annual inflation rate pierced the top of the bank's target range in June, but bank policy makers have said repeatedly that rate increases have a lagging effect on consumer-price inflation.

With gross domestic product expected to increase about 1% this year, and some economists sensing the economy may have slipped into a recession in the first half, the central bank is stuck between trying to keep prices under control and spurring economic growth.

"The best thing the bank could do to help the economy would be to cut the Selic rate to encourage people to borrow and buy, to stimulate production," said Reginaldo Gonçalves, professor of accounting science at the Faculdade Santa Marcelina graduate school in São Paulo. "But of course they can't cut rates because inflation is too high."

Higher interest rates are the usual prescription for inflation, but more expensive borrowing carries the side effect of slowing GDP growth. If inflation gets worse, or the economy slows even more, the wording of the statement gives the bank an "escape clause" to change its policy in the short term, said Jankiel Santos, chief economist of Espirito Santo Investment Bank, in a note.

The weak economy has particularly hurt Brazilian manufacturers, and Brazil's National Confederation of Industry said it is pleased the bank chose to leave rates unchanged. Industrial production fell for three consecutive months through May, and any further measures to get price increases under control should be implemented through fiscal policy, rather than interest rate increases, the group said.

Whatever decision the central bank makes is complicated by a looming presidential election in October. Economic issues are likely to be central in the political campaign and monetary-policy makers will strive to stay out of focus, said economist João Pedro Brugger, from investment firm Leme Investimentos. "If they do anything to the Selic, it is going to be after the election," he said.

The bank started raising the Selic rate in April last year, from a record low of 7.25%, and increased it at nine consecutive meetings before leaving it at 11% at its May meeting. During that period, the inflation rate hovered near the top of the bank's target range, of 2.5% to 6.5%.

The consumer-price index targeted by the bank rose to 6.52% in June, from 6.37% in May. The CPI has been well above the central point of the target range, or 4.5%, for over a year, and was at 5.9% at the end of 2013.

Bank officials have said that inflation will eventually start to slow, after the effects of a drought-driven food price increase that pushed the index past the target ceiling start to work their way out.

"Twelve-month inflation should remain high, in part as a result of the food-price shock earlier this year," central bank President Alexandre Tombini said earlier this month. But, he added that "if current monetary conditions remain unchanged, inflation is trending toward a path that will converge" to the official 4.5% target.

Earlier this month, the bank forecast the annual inflation rate will fall to 5.1% by the second quarter of 2016. The bank also cut, to 1.6% from 2%, its estimate for Brazil's economic growth this year, pointing to signs of slowing activity in the manufacturing, building and service sectors.

A survey of economists and analysts carried out by the central bank is less optimistic, with the most recent one forecasting GDP growth of only 1.1% this year.

Write to Jeffrey T. Lewis at jeffrey.lewis@wsj.com and Paulo Trevisani atpaulo.trevisani@wsj.com

http://online.wsj.com/articles/brazil-central-bank-leaves-benchmark-rate-unchanged-1405556161

 



Escrito por RELMARSP às 00h37
[] [envie esta mensagem] []



Petrobrás: Is Privatization The Way Out?

Petrobras has been through hardships in cash generation, over the last couple of years. The reason is that the NOC needs to stand up to its financial obligations, coming from the pre-salt investments, where the return, as we all know, may be as long as five to ten years.

Due to an ill-formulated government policy, Petrobras working capital is compromised, posing serious problems in financing oil imports from partner nations and imposing the burden of achieving the goals established by the market worldwide.

A populist policy by the Brazilian administration results in Petrobras selling automotive fuel to local distributors for a price lower than the one the company pays for the import of such products. Further problems are likely to arise in the country, and for the company. Overseas subsidiaries have been terminated and merged, with no transparency; a number of them are offshore companies. This fact raises concerns on lax corporate management. No audits have been carried out, which open the door to frauds.

Mr. Romano Allegro, a minor shareholder has been speaking up in Petrobras shareholders town hall meetings on the shady scenario for the company´s investors. He has spoken on the likelihood of poor corporate management, along with the influence of the Brazilian administration officials in controlling oil prices, which make up the fuel prices at the pump for the final consumers.

A hassle for finance minister, Guido Mantega, a member of the Petrobras advisory board, playing the part of a finance minister standing behind government interests in detriment of minor shareholders, which should be backed by CVM – Comissão de Valores Mobiliários, the Brazilian financial watchdog, in charge of protecting investors and secure market fairness.

Dismay in the market has escalated, resulting from the fuel prices adjust policy, by means of scheduled increases, given the lack of clarity is evident, seriously compromising the NOC bottom line, debt reduction and cash generation. Risk agencies foresee an imminent reduction of the Petrobras investment rating in the short term, which may signal that investing in the company is risky.

Fluctuations and instability in the company´s stock prices raise concerns amid the financial marketplace. Shares in 3Q13 were traded at R$ 26.30, in excess of the market value, which fluctuated between R$ 16.84 and R$ 17.05 per share, in 19 December 2013. This fact actually rings an alarm bell among experts.

Recent scandals, where no one has been accounted for, as in the overpriced purchase of the Pasadena refinery, PFICO overseas merger and RNEST, the northeastern large refinery project are evident. Concerns on concealed liabilities have been brought to light.

Lax and poorly controlled cost management is so high that further cash generation problems may result, as in the case of a refinery project, where cost overruns soared, from the initial budgeted price of US 2.3 billion to more than US 17 billion.

In the light of such huge cash generation constraints and the lack of investment resources in the short and mid run, when financial interests may escalate as a consequence of the lower investment rating, the question is: is this the right time for privatization and to put the company back on track as a reliable business, generating dividends for investors and top quality products with competitive prices for all its consumers? The fact is: losses over mismanagement are not acceptable at all.

(Article by Professor Reginaldo Gonçalves, Accounting Sciences Coordinator of Santa Marcelina University (FASM)).

http://oilpro.com/post/2175/petrobras-is-privatization-the-way-out

 




Escrito por RELMARSP às 13h02
[] [envie esta mensagem] []



Os longos tentáculos do governo

 

A situação econômica do País é cada vez mais complexa. A presidente Dilma Rousseff está contente com o índice inflacionário de julho, que foi de 0,03%, um dos mais baixos do ano. Entretanto, no acumulado dos últimos 12 meses, chegou a de 6,27%, muito acima da meta estabelecida, de 4,5% ao ano. As duras críticas ao pessimismo do mercado pela presidente expõe outros fatores. Os gastos públicos continuam acirrados e a arrecadação tributária em alta, mesmo com a desoneração e a perda de competitividade das empresas.

O IPCA-15, que considera uma prévia da inflação para o mês de agosto, aponta uma alta de 0,16% contra 0,07% do mês anterior. A inflação acumulada nos últimos 12 meses situa-se em 6,15%, apurados através deste indicador. O que deverá ter reflexo dentro dos próximos três meses é a aceleração da desvalorização do real frente ao dólar, cuja média está em R$ 2,40, com previsões bem pessimistas de chegar a R$ 2,70 até o final do ano. As ações do Banco Central não estão surtindo o resultado necessário para redução do impacto nos preços, tudo por conta dos problemas do endividamento em moeda estrangeira, aumento das importações e redução das exportações.

A situação vem se agravando em virtude da desconfiança tanto com relação ao ministro da Fazenda Guido Mantega quanto com a própria presidente Dilma, já que as manobras políticas estão cada vez mais evidentes, provocando um represamento de parte da inflação por conta do não aumento dos combustíveis na bomba. Tal fato, alias, prejudica ainda mais a Petrobrás, principal empresa importadora de petróleo.

O que surpreende os acionistas da empresa é perceber que a Petrobrás está perdendo gordura, prejudicando suas operações comerciais internas a medida que subsidia a venda dos combustíveis às distribuidoras. Compra-se gasolina por R$ 1,35 em média e vende-se por R$ 1,05. A perda estimada em seu fluxo de caixa gira em torno de R$ 125,6 milhões, valor apurado sobre a importação até junho de 2013, que chegou a 2,6 milhões de barris - aproximadamente 413 milhões de litros.

O subsídio da Petrobrás na importação sem repasse dos preços a distribuidora representa um desconto de aproximadamente 22,22% sobre o valor de aquisição. Isso sem contar com todos os gastos relativos a distribuição, custos internos e carga tributária sobre o combustível. Ou seja, a Petrobrás já não tem mais a gordura necessária para reduzir custos e despesas. Atingiu um limite que poderá inviabilizar os investimentos futuros, inclusive no pré-sal. Sem contar os desvios de finalidade por conta das companhias controladas no exterior.

A Petrobras já solicitou o reajuste do preço de combustíveis, mas a preocupação do governo está centrada na situação atual da economia. E um aumento, por menor que seja, implicará automaticamente nos preços de toda a cadeia produtiva, desde o insumo agrícola até o produto acabado.

O governo precisa ter a responsabilidade, competência e obrigação de reduzir gastos, e não utilizar de uma estatal para segurar a meta inflacionária. O prejuízo à população será significativo. Se insistir no uso deste mecanismo, a Petrobrás poderá não existir no longo prazo, em virtude da falta de recursos para financiar suas operação. Ou o Governo reduz o gasto público, os impostos e estimula a produção, ou teremos dias bem difíceis pela frente. Futuro este que pode estar próximo.

* Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina – FASM.

http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,611657,Os_longos_tentaculos_do_governo_-_Por_Reginaldo_Goncalves_,611657,8.htm

http://www.oregional.com.br//2013/08/os-longos-tentaculos-do-governo_304006

http://www.revistafatorbrasil.com.br/ver_noticia.php?not=244565

http://www.dm.com.br/texto/139870-os-longos-tentaculos-do-governo

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18853017&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18862686&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 01h14
[] [envie esta mensagem] []



Equilíbrio das aéreas está na oferta de bons serviços


A busca pelo equilíbrio financeiro e a melhora da situação de liquidez é uma luta contínua das empresas, sejam brasileiras ou estrangeiras, em virtude do mercado em retração e com problemas políticos, que se tornam um entrave para a capitalização, assim como para a remuneração adequada dos seus investidores.

As companhias aéreas que estão instaladas no Brasil vivenciam o contínuo cenário de aumento de combustíveis, salários, leasing indexados ao dólar, que geram resultados negativos e afetam o caixa. Como estratégia, a primeira situação que vem à mente dos empreendedores para minimizar as perdas de resultado em virtude do aumento dos custos é o corte de funcionários. Essa situação foi recentemente vivida pela Gol, quando no ano passado adquiriu a Webjet e demitiu 950 funcionários. Agora a TAM, para equacionar a redução de ofertas, cuja queda foi de cerca de 12%, emitiu nota de que a demissão chegaria a 1.000 colaboradores, incluindo pilotos, co-pilotos e comissários.

A proposta está em discussão com o sindicato e pode reduzir as demissões, mas de forma inexpressiva, uma vez que a diminuição de ofertas derruba automaticamente o faturamento, exigindo uma equalização mais profunda na sua estrutura de custos. O que chama a atenção é que nem sempre a redução de empregados, isolada, gera proporcionalmente a compensação do faturamento. Muitos custos fixos podem ainda mascarar o resultado temporário que as empresas acreditam terem ganho com a redução de mão de obra.

O que as companhias em geral estão fazendo é o maior aproveitamento possível de assentos, reduzindo assim a necessidade de mais aeronaves em vôo. Essa economia pode ser significativa, desde que não haja prejuízo aos passageiros, cujo descontentamento pode desencadear a busca por novas alternativas de transporte. Aproveitar a capacidade ociosa é o mais importante, desde que isso não acarrete perda de qualidade nos serviços e no atendimento às necessidades dos consumidores.

A saída pode estar na busca por parcerias que permitam aproveitar ao máximo de disponibilidade de assentos. Algumas companhias aéreas estão buscando alternativas através de operações em aeroportos regionais, uma área a ser explorada principalmente em virtude dos investimentos efetuados e da necessidade dos clientes de rápida locomoção. As aéreas, porém, não podem fechar os olhos à busca do passageiro pelo diferencial nos serviços. É esse item que cria a fidelização e gera uma alternativa para manutenção do negócio com maior lucratividade, assim como menor necessidade de caixa.

* Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina - FASM .

http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,608761,Equilibrio_das_areas_esta_na_oferta_de_bons_servicos_-_Por_Reginaldo_Goncalves_,608761,4.htm

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18764380&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://www.jb.com.br/sociedade-aberta/noticias/2013/08/16/equilibrio-das-areas-esta-na-oferta-de-bons-servicos/

http://www.gestaoerh.com.br/site/noticias/?id=756

http://www.redelajeado.com.br/2013/08/15/equilibrio-das-areas-esta-na-oferta-de-bons-servicos-por-reginaldo-goncalves/

 



Escrito por RELMARSP às 02h21
[] [envie esta mensagem] []



http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18751610&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18755151&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 02h12
[] [envie esta mensagem] []



http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18732642&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18735451&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 02h07
[] [envie esta mensagem] []



http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18723213&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18725804&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://www.bempublico.com.br/materias/materiaVer.php?materiaID=7158

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18735450&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://www.redelajeado.com.br/2013/08/15/equilibrio-das-areas-esta-na-oferta-de-bons-servicos-por-reginaldo-goncalves/

http://www.atribunanews.com.br/artigos/as-novas-perspectivas-para-a-populacao-de-itaquera-e-regiao-reginaldo-goncalves

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18790237&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18821564&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18821551&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18821916&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 02h01
[] [envie esta mensagem] []



 

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18610857&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18614933&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18614932&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 01h21
[] [envie esta mensagem] []



A Contabilidade de Hedge da Petrobrás

Maxpress - SP - CIÊNCIA E AMBIENTE - 22/07/2013

A situação da Petrobras não é nada satisfatória. Apesar da tão propagada autossuficiência na produção do petróleo - tanto pela empresa quanto por politicos -- a realidade hoje é bem outra. Mesmo com a busca por capital de giro e capital fixo para investimentos na exploração de novos campos e do pré-sal, tal objetivo se distancia cada vez mais.

De um lado, a empresa necessita de altos investimentos para financiar a exploração, enquanto por outro vê-se a descapitalização da companhia em virtude os gastos com importação de petróleo para abastecer o mercado interno. Fato, alias, que o governo tentou minimizar freando o repasse ao consumidor para manter os indicadores em patamares compatíveis com o equilíbrio das contas públicas. A opção da equipe econômica, no final de dezembro de 2012, foi apelar para a "contabilidade criativa" para jogar para debaixo do tapete aquilo que já era sabido: a situação econômica do país estava ruim.

Se não bastasse os atrasos no reconhecimento das importações de petróleo, prorrogados para o primeiro trimestre de 2013, a Petrobrás se viu envolvida em escândalos que delapidaram o seu caixa em pelo menos US$ 1 bilhão, como o caso Pasadena. Agora novos problemas surgem. Recentemente, o Fisco vem cobrando R$ 7,3 bilhões em dívidas apuradas entre 1999 e 2002, referente às remessas efetuadas para o exterior para pagamento de afretamento de plataformas petrolíferas móveis. A empresa contesta a dívida, mas se não houver acordo certamente novos reflexos serão sentidos nos resultados.

Para que possa gerar caixa para novos investimentos, a Petrobrás vem se desfazendo de ativos pelo mundo. Os recursos devem ser destinados em capital de giro e redução do endividamento. Os valores, porém, estão aquém das necessidades da companhia, tanto que sua nota de risco esteve em perspectiva negativa de acordo com a S&P, prejudicando a busca por empréstimos com taxas mais baixas.

A recente desvalorização do real frente ao dólar foi outro fator que trouxe sensíveis prejuízos aos resultados da Petrobras, uma vez que o endividamento está indexado ao dólar. Sua dívida líquida exposta de cerca de R$ 100 bilhões geraria algo em torno de R$ 10 bilhões em resultado negativo. A manobra de Contabilidade de Hedge levará a uma inversão de valores no resultado na ordem de R$ 7 bilhões possibilitando, inclusive, o pagamento de dividendos aos acionistas no segundo trimestre.

Como será a mágica: a Petrobrás utilizará de um recurso contábil previsto pela Comissão de Valores Monetário (CVM) através do qual, havendo grande valorização do câmbio em determinado período, o montante do ajuste poderá ser lançado no patrimônio líquido da companhia e reconhecido em até sete anos, prevendo que futuramento dos resultados positivos possam diminuir os seus efeitos negativos do reconhecimento da mini ou maxidesvalorização da moeda nacional.

A manobra elevará o lucro e possibilitará o pagamento maior de Imposto de Renda, Contribuição Social, assim como de dividendos para os acionistas (leia-se governo como maior acionista). Caso houvesse o reconhecimento da totalidade da perda cambial nada seria desembolsado, evitando nova descapitalização da empresa. Portanto, se a situação de mercado permanecer, é possível que o crescimento déficir seja maior. O fato é que os analistas já estão de olho nesse cenário e o reconhecimento da perda cambial ainda não refletida no resultado vai reduzir o patrimônio líquido contábil da empresa.

* Reginaldo Gonçalves é coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina - FASM .

http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,602536,A_Contabilidade_de_Hedge_da_Petrobras_-_Por_Reginaldo_Goncalves_,602536,2.htm

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18606373&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18613763&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/a-contabilidade-de-hedge-da-petrobras_134201.html

http://www.diariodenoticias.com.br/noticias.asp?act=det&idnoticia=7019

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18653948&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18675432&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18768515&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 01h17
[] [envie esta mensagem] []



Planos de saúde terão reajuste de até 9,04%

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18606372&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://extra.globo.com/noticias/economia/planos-de-saude-individuais-terao-reajuste-de-ate-904-9135540.html

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18606106&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 

 



Escrito por RELMARSP às 01h07
[] [envie esta mensagem] []



Alta de juros pode comprometer nível de emprego, aponta coordenador da FASM

 

Revista PS - SP - NOTÍCIAS - 12/07/2013

Demanda da indústria deverá nortear as ações nos próximos meses, uma vez que no segundo semestre o setor apresenta uma retomada com a proximidade do Natal
O Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou nesta quarta-feira (10) novo aumento da taxa básica de juros (Selic), que subiu de 8% para 8,5%. Além da pressão inflacionária, a alta do dólar também tem sido uma preocupação para o governo, segundo aponta o coordenador do curso de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina – FASM , Reginaldo Gonçalves. Segundo ele, o aumento da Selic só não foi maior porque o governo teme prejudicar ainda mais a tomada de crédito para a recuperação da indústria. “Entretanto, tal medida desestimula o consumo, o que pode refletir numa queda do nível de emprego”, destaca. Para Gonçalves, o Copom deve continuar a elevar a taxa de juros nos próximos meses e chegar ao patamar de 9,5%. “Dependerá de como caminhará a recuperação da parte industrial por aumento da demanda e de competividade. Normalmente, esse setor tem maior recuperação no segundo semestre devido à reposição de estoques para o Natal”, explica.

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18546665&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18546664&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end



Escrito por RELMARSP às 00h53
[] [envie esta mensagem] []



http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18543151&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18546668&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 00h47
[] [envie esta mensagem] []



Economistas são unânimes: Copom dele elevar Selic para 8,5% ao ano

 

Portal de Investimentos - None - NOTÍCIAS - 10/07/2013

InfoMoney

Associação de fraco crescimento econômico com piora de perspectivas para economia global, mas com temores frente à inflação, fará BC manter ritmo de ajustes, apontam economistas

SÃO PAULO - A reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que se iniciou na última terça-feira (9) e será encerrada nesta data deve ser concluída com um aumento de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juro, a Selic. Com isso, ela deve passar dos atuais 8% ao ano para 8,5% ao ano.

Conforme destaca o Itaú, todos os economistas consultados pela Bloomberg acreditam que a taxa básica de juros subirá a esse patamar. A equipe macroeconômica do banco, chefiada por Ilan Goldfajn, ressalta que a desvalorização do real frente ao dólar e o risco de inflação poderiam acelerar o passo de ajustes para cima na Selic, para 0,75 ponto percentual. Contudo, em meio aos números fracos da economia e com a inflação mostrando alguma desaceleração, uma alta de 50 pontos-base deve ser a opção escolhida. Após este encontro, a equipe do banco acredita que haverá mais duas altas de 0,50 ponto percentual e um ajuste final de 0,25 p.p. durante o ano, encerrando 2013 a 9,75%.

Neste cenário, destaque para a desaceleração do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de junho, de 0,37% em maio para 0,26% em junho, mas superando do teto da meta e subindo para 6,7% no acumulado de doze meses. Com isso, mesmo com o menor ritmo de alta de preços - apesar do resultado do mês ter sido influenciado pela ocorrência de protestos que levaram às reduções de tarifas de serviços públicos no País -, a inflação segue no radar.

O JP Morgan, por sua vez, reduziu as suas expectativas para a alta da Selic nesta reunião. O banco tinha projeções de que o Copom elevaria a Selic em 0,75 ponto percentual, mas mudou a expectativa para aumento em 50 pontos-base devido aos sinais de que a economia nacional está crescendo abaixo do esperado, além da expectativa de que haja algum ajuste do lado fiscal, o que deve manter o ritmo de ajustes mesmo com a pressão cambial, afirmam os economistas Fabio Akira e Cassiana Fernandez.

O que os economistas esperam para a próxima reunião do Copom?

“A desvalorização do real e o risco de inflação poderia provocar uma aceleração no ritmo de subida das taxas, a 75 pontos-base. Por outro lado, os números recentes revelaram surpresas na deterioração da atividade econômica e da inflação, sugerindo que o ritmo de 50 pontos-base continuará a ser a opção escolhida. Além da reunião de quarta-feira, esperamos mais dois aumentos de 0,50 p.p. e um aumento final de 0,25 p.p., levando a taxa Selic para 9,75% ao final do ano.". - Itaú Unibanco

"O Banco Central já vem tomando ações para o controle da inflação com a volta da elevação da taxa de juros (Selic). Na próxima reunião do Copom é provável que o índice seja elevado dos atuais 8% para 8,5% ou até 9%." - Reginaldo Gonçalves, professor da Faculdade Santa Marcelina ."Do ponto de vista da política monetária, o comportamento da inflação em junho confirmou o cenário do BC de que a inflação se desaceleraria na margem. Portanto, este resultado, apesar de ter surpreendido o mercado, não deve alterar a atual estratégia de política monetária do BC. Além disso, esta surpresa positiva com a inflação de curto prazo pode causar uma redução das expectativas de inflação nas próximas semanas como foi comprovado empiricamente. Assim mantemos nosso cenário de que a Taxa Selic segue sendo ajustada ao ritmo de 50 pontos base até o patamar de 9,5% ao ano" - LCA Consultores"

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18529951&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

http://portalinvestsantander.clientes.ananke.com.br/aqui_voce_pode/noticias_do_mercado/tpl_noticia.asp?CDUID=2859246

http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18529954&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end

 



Escrito por RELMARSP às 00h46
[] [envie esta mensagem] []



http://clipping.cservice.com.br/cliente/visualizarmateria.aspx?materiaId=18527196&canalId=76036&clienteId=WHRqiduOAhs=&end#0

 



Escrito por RELMARSP às 00h42
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis